Análise: Grêmio precisa de reestruturação total para 2022

O Grêmio perdeu mais um jogo no Campeonato Brasileiro. A derrota por 3 a 1 para o América-MG, na Arena Independência, aproxima o tricolor cada vez mais do terceiro descenso do clube para a série B. A partir disso, já é preciso começar a planejar uma reestruturação total no clube para a próxima temporada.

A partida contra o América-MG só escancarou os principais defeitos do Grêmio na temporada. Espaço entrelinhas, contra-ataques cedidos, descontrole anímico e falta de eficiência ofensiva foram os pontos mais visíveis na partida. Este último chama a atenção o número de finalizações da equipe de Vagner Mancini: 24 chutes, sendo que que apenas sete foram ao gol. Todos erros foram citados pelo técnico gremista em coletiva após a partida.

– Todos nós aqui enxergamos aqui o que aconteceu no jogo. Não fiquei satisfeito de maneira alguma, vi um time que teve erros que acabaram pesando na partida. Tomar o 1 a 0 no começo, 2 a 0 no último minuto e 3 a 0 no comecinho do segundo tempo acabou de certa forma influenciando e alguns aspectos são importantes para o jogo. Você acaba jogando com o seu emocional desequilibrado porque toma o segundo gol após uma confusão dentro de campo, se foi pênalti ou não foi, retorna e toma o terceiro gol. Aí tem que fazer muito mais força porque o placar já ficou dilatado – disse.

Para saber tudo sobre o Grêmio, siga o Esporte News Mundo no Twitter, Facebook e Instagram.

A reestruturação e resgate do DNA do Grêmio

O Grêmio precisa encara 2022 como um recomeço. Praticamente rebaixado, a equipe precisa focar em momentos de reconstituição do clube e fazer disso um ponto positivo. O mais recente deles foi quando o próprio Romildo Bolzan Júnior assumiu a presidência, pôs em prática uma gestão de austeridade e superavitária, apostou em jovens talentos e em Roger Machado para formar a equipe.

Instituiu-se então uma maneira reconhecida do futebol do tricolor, que foi amplificado e aperfeiçoado com Renato Portaluppi, onde atingiu seu ápice. Aprender com os erros da gestão é preciso, principalmente na centralização do futebol do clube baseado em uma única figura, mas a trazer de volta a capacidade de estrutura, crença em um projeto e apostas nos jovens é preciso para fazer do Grêmio um time competitivo novamente para as próximas temporadas.