Bears demitem Matt Nagy e GM Ryan Pace

A temporada regular da NFL mau acabou e a dança das cadeiras dos técnicos começou. Nesta segunda-feira (10) o Chicago Bears demitiu o head coach, Matt Nagy, e o general manager, Ryan Pace, após a franquia terminar 6-11 na temporada. A informação é de Adam Schefter, da ESPN americana.

Em sua primeira temporada em 2018, Nagy foi escolhido Coach of the Year, quando liderou os Beats a um recorde de 12-4 e foram aos playoffs após oito anos. Mas nas temporadas seguintes, o treinador não manteve o mesmo ritmo.

Os Bears terminaram em 8-8 em 2019 e novamente em 2020, quando a expansão dos playoffs os colocou na rodada do wild card. Nagy nunca foi capaz de repetir sua primeira temporada, em parte porque o quarterback que ele herdou – Mitchell Trubisky, a segunda escolha geral do draft de 2017 – nunca demostrou desenvolvimento compatível com sua seleção no draft.

Siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram Facebook.

Trubisky saiu na free agency na primavera passada, depois que os Bears negociaram para subir no Draft e selecionarem o quarterback de Ohio State, Justin Fields. Os Bears estavam em 2-8 nas 10 partidas de Fields, e ele terminou a temporada em último lugar na liga no Total Quarterback Rating (26.0), estatística da ESPN americana para medir o desempenho dos quarterbacks. Em quatro temporadas, os Bears estavam 34-31 sob o comando de Nagy na temporada regular e 0-2 nos playoffs.

Nagy, 43, chegou aos Bears após oito anos trabalhando na comissão técnica de Andy Reid, incluindo cinco com o Kansas City Chiefs e mais três com o Philadelphia Eagles. Reid o promoveu a coordenador ofensivo em 2017, um ano antes de os Bears o contratarem.

Pace passou sete temporadas com os Bears, contratando dois treinadores e selecionando dois quarterbacks durante sua gestão. Suas equipes fizeram duas aparições nos playoffs, mas não ganharam um jogo, perdendo no wild card em 2018 e 2020. O Bears venceu pela última vez um jogo de playoff em 2010 e está 1-3 na pós-temporada desde que apareceu no Super Bowl XLI após a temporada de 2007.

Nagy foi o segundo técnico que Pace contratou. O predecessor John Fox passou três temporadas com a equipe durante a transição do quarterback Jay Cutler. Pace provou ser um negociante agressivo, adquirindo o pass-rusher Khalil Mack em 2018, além de fechar acordos para contratar Trubisky e Fields.

Mas esses negócios continuaram uma tendência de abrir mão de escolhas de primeira rodada que havia começado com o acordo dos Bears para adquirir a Cutler em 2009. A organização negociou suas escolhas da primeira rodada em 2009, 2010, 2019 e 2020 e não tem uma para 2022, também. Das quatro escolhas da primeira rodada que Pace fez em tempo no cargo – wide receiver Kevin White (2015), linebacker Leonard Floyd (2016), Trubisky, linebacker Roquan Smith (2018) e Fields – apenas Smith provou ser um jogador de longo prazo responder.

Pace teve algum sucesso na free agency, contratando o receiver Allen Robinson II e no defensive tackle Akiem Hicks, entre outros, e ele também contratou receiver Darnell Mooney. Mas não foi o suficiente para colocar os Bears como um dos favoritos ao Super Bowl.