Justiça determina que Flamengo convoque novas eleições com voto à distância

Em sentença publicada nesta sexta-feira, a Justiça do Rio de Janeiro determinou que o Flamengo deve convocar novas eleições presidenciais, com direito ao voto à distância. O clube já havia marcado o pleito apenas de forma presencial para o dia 4 de dezembro, uma semana após a final da Copa do Libertadores. A informação foi dada inicialmente pelo “GE” e confirmada pelo Esporte News Mundo. Cabe recurso ao Rubro-Negro.

O voto à distância era um pedido dos candidatos de oposição a atual gestão do Flamengo. Walter Monteiro, da chapa Frente Flamengo Maior, entrou na justiça para garantir este direito com base em artigo da Lei Pelé que prevê a possibilidade do voto à distância em entidades esportivas. Caso o Rubro-Negro não cumpra a determinação, a decisão da Justiça prevê que a eleição perca o efeito.

+ Hugo celebra nova oportunidade e se declara ao Flamengo: ‘Defender o manto é o que mais amo fazer’

+ Gabigol é homenageado pela marca de 100 gols pelo Flamengo e afirma: ‘Que possam vir 200’

Em um primeiro momento, a Justiça havia indeferido o pedido de Walter Monteiro, alegando que o Flamengo ainda não havia se manifestado em relação ao assunto. Mas, como foi marcada a data da votação sem direito ao voto à distância, a situação mudou.

Siga o perfil do Esporte News Mundo no TwitterInstagram e Facebook .

Na sua sentença, o juiz Leonardo de Castro Gomes citou que clubes como o Vasco, o Grêmio e o Internacional já realizaram eleições à distância “sem notícia de percalços”. No entanto, o presidente da Assembleia Geral, Marcelo Conti, alega que o estatuto do clube não está adaptado para a realização de voto à distância.