“Muita força mental”: Abel elogia atuação do Palmeiras contra Sport e volta a criticar CBF

O Palmeiras de Abel Ferreira venceu a terceira partida seguida no Brasileirão, por 2×1 em casa contra o Sport, e parece ter deixado de vez para trás a sequência negativa que amargou em setembro e no início de outubro. 

Na coletiva após a partida no Allianz, Abel elogiou a força mental da equipe após sofrer o primeiro gol para virar a partida, e ainda disse que a vitória não foi “a cara de Abel”, mas sim, do Palmeiras

Sobre concentração

— É a cara da força do Palmeiras, dos torcedores do Palmeiras. E é isso que eu procuro, que o palmeirense se veja na equipe, quando ganha, quando perde. O que vimos foi uma equipe com muita força mental, que eu falo que são um dos pontos fundamentais do futebol – disse o treinador.

O português ainda falou da intensidade de jogo do Palmeiras, que finalizou 36 vezes ao gol, e massacrou o Sport na segunda etapa, com direito a grande atuação de seu goleiro, Maílson:

— Não é um jogo de solteiros e casados, é um jogo que vale pontos. E o time manteve a ordem e a disciplina e teve algo que eu gosto muito, que é a intensidade. O futebol moderno é isso, é futebol de intensidade, vertical, de jogar para frente, de chutar ao gol 36 vezes. E para isso é preciso que se dê tempo de descansar a equipe. E hoje tivemos.

Abel deixou ainda suas críticas à CBF e ao calendário, como de costume em diversas coletivas, dessa vez citando Zagallo. Abel declarou que a intensidade do Palmeiras foi o resultado da briga do clube para adiar a partida para esta segunda (25) e dar o descanso necessário à equipe:

— Pegamos o Bahia com dois dias de descanso, com o Bragantino tivemos dois dias de descanso para ir para Fortaleza. E houve algum inteligente, e não sei quem são os inteligentes que organizam, e enquanto estiver aqui, como diria Zagallo, eles vão ter que me engolir. Hoje a equipe só jogou com esta intensidade, com este ritmo, com essa força porque tivemos uma luta para adiar o jogo. Temos que sentar treinadores, jogadores e televisão e os que organizam as competições. Se quiserem jogos com intensidade, ritmo, tem que dar descanso. A Fifa é muito clara. Tem que dar 72h de descanso entre um jogo e outro. 

Abel ainda foi perguntado da importância da torcida para a virada de seu time, e foi categórico:

— Toda. Eu já disse antes. Disse que essa torcida ganhava jogos. E é verdade. É um sossego para mim estar ali no campo, porque já sei que os meus jogadores vão entregar tudo lá dentro por que a torcida assim os cobra. 

O Palmeiras volta à campo no próximo domingo (31), contra o Grêmio, pela 29ª rodada do Brasileirão, às 16h, em Porto Alegre.