Paulo Beto convida a um retorno às origens olhando o futuro no álbum “Uniram-se”

Não fosse a união, nada haveria. É refletindo sobre o que nos torna humanos – dos nossos instintos mais primitivos às vulnerabilidades mais modernas – que o cantor e compositor Paulo Beto faz do seu novo álbum “Uniram-se” um caldeirão sonoro onde passeia por ritmos brasileiros regionais, pela musicalidade latinoamericana e gêneros folclóricos até desembocar em elementos eletrônicos. Com um pé nas nossas origens e outro no presente, o artista busca um caminho para um futuro mais harmônico – consigo mesmo, com o outro e com a natureza.

Os singles “Isso Não É Brasil”, “Todo Mundo Se Comendo” e “Não Quero Marcar Nada” entregaram algumas das coordenadas do destino final de “Uniram-se”, dialogando com temáticas que vão do distanciamento, passando pela superficialidade das redes sociais e chegando à nossa herança da exploração colonialista na América Latina. O álbum expande o universo de Paulo Beto para abarcar outras aventuras líricas. Da resiliência do Homo Sapiens às nossas atuais relações familiares e sociais, o artista faz um mergulho na jornada que nos proporcionou chegar até aqui.

“Os princípios que regem a sociedade atual, consumismo, competição, lucro, acúmulo, aparência, posse, ao separar-nos em bolhas, colocaram em xeque a sobrevivência do Planeta Vida, transformando-nos em cobaias patrocinadoras do modus operandi capitalista. O álbum é uma obra convite à uma intensificação de nossa aliança com a Natureza inteira em contraponto a perspectiva do progresso, aos valores constitutivos da Civilização, destacando a natureza predatória do discurso do desenvolvimento, que acabamos quase que unanimemente por defender, sem perceber que se trata de uma prática que promove a destruição do que temos de mais valioso”, filosofa o artista (e filósofo de formação). 

No xote “Cada Um Por Si”, critica até onde nos trouxe o sistema capitalista, e destaca os contornos dramáticos assumidos por tal regime nos países colonizados, de capitalismo periférico. A música título do álbum propõe a união do povo contra aqueles que desde a invasão cristã-romano-portuguesa os explora, ignora, lucra, se aproveita e dizima. Entre sambas, choros e samba-choros, reggaes, bregas e samba-reggaes, choros, experimentalismos e samples, a tecnologia transa com o orgânico; atabaques, berimbaus, tambores falantes mesclam-se à máquinas de ritmos, que por sua vez, fundam sonoridades a partir da manipulação de ruídos captados da cidade, somados aos sons da floresta. 

“O álbum, portanto, tem em seu título aquilo que a Natureza nos ensina, que o que somos traz dentro, a única maneira de existir em matéria viva. ‘Uniram-se’, como explicito, é um chamado a emergência de tal ação”, completa. Além de reunir instrumentistas de destaque da cena do RJ, Paulo recebe os backing vocals de Daíra, Júlia Vargas e Amanda Chaves em três faixas, com Daíra aparecendo também em “Cada um por si”.

Paulo Beto é natural de Niterói (RJ) e estreou como cantor e compositor com o álbum “Memórias d’aldeia do bicho que mente” em 2015, cujo show de lançamento originou o disco “Paulo Beto e Convidados – Ao vivo – no Teatro Municipal de Niterói”, e que o levou a realizar turnês pelo Brasil, Uruguai e Argentina. Em 2018 lançou o segundo registro dos palcos, “Paulo Beto – ao vivo – em Santa Teresa”, gravado no Parque das Ruínas, no Rio de Janeiro. Atualmente, sua busca tem-se feito no encontro de toda e qualquer manifestação artística, passando por teatro, poesia e artes plásticas. Além de músico, cantor, compositor e filósofo, é escritor e dramaturgo.

“Busco utopicamente, harmonizar, em alimento elementar musical, a grave desarmonia entre o humano e o Cosmos”, finaliza. “Uniram-se” está disponível nas principais plataformas de streaming.