Rodrigo Caetano e presidente do Atlético-MG abrem portas para retorno de Alonso, mas negociação é complicada

A guerra na Ucrânia acarretou uma série de fatores em vários segmentos. No futebol, não foi diferente. Jogadores estrangeiros que atuam na Rússia e na Ucrânia estão sendo liberados para atuarem em outros times. Entre eles, Junior Alonso, recém-negociado pelo Atlético-MG e que pode retornar ao clube. Pelo menos é o que desejam Rodrigo Caetano e Sérgio Coelho.

+ Atlético-MG alcança invencibilidade de 30 jogos como mandante

+ Comparação entre os 10 primeiros jogos de 2021 e 2022

O Atlético negociou Junior Alonso no início de janeiro com o Krasnodar, da Rússia, por 8,2 milhões de dólares (R$ 46,75 milhões). Agora, o jogador teve contrato suspenso por conta da guerra e pode acertar um empréstimo com qualquer clube. O torcedor do Galo não perdeu tempo para pedir a voltado xerife e ex-capitão.

O diretor de futebol do Galo, Rodrigo Caetano, afirmou que “as portas estão sempre abertas” para o zagueiro. Já o presidente Sérgio Coelho, em um vídeo gravado por um torcedor, afirmou: “O Alonso, para vir para o Atlético, só depende dele. Pro Galo ele já pode vir e se apresentar amanhã”. No entanto, a negociação é considerada complicada.

A primeira situação é a incerteza da negociação, de como ela pode ocorrer, até quando Alonso pode ficar se realmente voltar. A segunda situação é financeira e de elenco, já que o clube teria que pagar o salário do zagueiro, que já foi “realocado” com a chegada de Godín, outro zagueiro de peso e estrangeiro, que é outra situação. No Brasil, só são permitidos 5 estrangeiros por jogo, caso Alonso retorne, o Galo teria 7 no elenco, sempre sendo obrigado a deixar dois de fora, o que não é o ideal. Além de que o alvinegro está fechando com o argentino Pavón, para chegar no meio do ano.

Em resumo, o Atlético deseja contar com a volta de Junior Alonso, mas entende que não pode cometer “loucuras” pra isso, já que pode se complicar financeiramente e até causar problemas no elenco com o excesso de estrangeiros. O retorno do zagueiro não é tão provável, apesar das falas do dirigentes atleticanos.